A oportunidade de ouro do Interior

Meus amigos, a hora da verdade está chegando. Domingo, 16 horas, teremos a decisiva semifinal entre Caxias e Internacional. No Beira Rio, acredito, o Inter deixou escapar a grande chance de classificação. Evidente que pode vir aqui no Centenário e sair vitorioso. Entretanto, vejo esta semifinal como o grande momento Grená.

Esta partida de volta, tomara, comprove minhas convicções sobre o Gauchão deste ano. E nelas estão um Caxias finalista. Digo isso porque acompanhei praticamente todos os jogos do Grená na competição, salvo algum que tenha estado com o Juventude noutra cidade. E, nestes jogos, vi o Caxias se impor com qualidade. Mesmo nos que perdeu. É um time que leva poucos gols, que ataca a maior parte dos jogos, não esperando por definição do adversário. O único jogo ruim do Caxias que vi foi justamente a estreia na competição, contra o Novo Hamburgo. Depois dali, conquistou a minha, a sua e a confiança dos próprios jogadores quanto aos seus potenciais.

O normal do Gauchão, e isso não é nenhuma novidade, do crescimento da dupla GreNal nas fases decisivas, até pelo encaixe de seus milionários elencos e “obrigação” de, ao menos, decidir o campeonato. E, também não é novidade, um relaxamento dos times do Interior, por chegar em boa classificação, muitas vezes abdicando em enfrentar de modo parelho, a dupla da Capital. Não vejo isso este ano, ainda bem. Não percebo conformismo tanto no Caxias quanto no Novo Hamburgo.

Falaram demais do Nóia, de que estaria mais preocupado em ser o chamado Campeão do Interior, com os R$ 300 mil que ganharia caso conquistasse este título. Não foi o que ocorreu na primeira partida com o Grêmio. Mostrou força e qualidade e, por muito pouco, não foi ele o vencedor na Arena. Tem muita bola, tanto quanto o Caxias. Qualidade e experiência para passar à final. Ao contrário do rival Colorado, é o Tricolor que vai ter de correr pra se classificar.

Voltando ao Caxias, a grande ausência é Pitol. Mais uma suspensão por terceiro amarelo, muitos deles por cera e reclamação. Esse é o grande defeito dele. Seis cartões no Gauchão. É de uma personalidade exacerbada, já escrevi isso aqui. Muitas vezes, ajuda muito o time com isso. Noutras, acaba punido pelos exageros, caso de agora. Espero que Lúcio, seu substituto, seja feliz no domingo. E que não fiquemos pensando “ah, se o Pitol estivesse ali”.

Bom, nas demais funções, espero de Wagner um grande jogo. Ele deve isso. Sei que muitos já estão satisfeitos com ele, felizes por demais por causa dos episódios ainda decorrentes dos CaJus… Todavia, eu tenho de pensar no futebol de fato. E isso ele apresentou muito pouco daquilo que eu tinha como expectativa nele. Eu penso Wagner como diferente na bola, de uma qualidade acima da média. Mas tem de mostrar isso jogando. O Caxias precisa mais dele dando assistências e gols do que apenas do “#polêmico”.

O time é bom, fez um campeonato ótimo. E não vai se contentar em só chegar nas semi. Dentro das quatro linhas, pode sim reverter a vantagem do Inter e, mais uma vez, decidir o Gauchão. O mesmo vale para o Novo Hamburgo, que já larga em vantagem. Que não se acomode, que lute também! É difícil superar Grêmio e Inter? É, demais. Só que há muito tempo o Interior não tinha tantas chances de decidir quanto neste ano. Desde 1954 que não há uma final sem Colorado ou Tricolor. Bem que pode ser agora, para que pensem mais firmemente em não desdenhar do Gauchão.

Deixe seu comentário